Skip to content

HIDROELECTRICIDADE

PROJECTO ENERGÉTICO DE CAHORA BASSA

COMPLEXO HIDROELÉCTRICO DE CAHORA BASSA

O Complexo Hidroeléctrico de Cahora Bassa, em operação desde 1975, comporta uma variedade de infra-estruturas de engenharia que permite a produção, transporte e comercialização da energia, missão por excelência da HCB. Tais infra-estruturas comportam características e funções distintas, contudo, funcionando de forma integrada e agregada para responder ao desafio de produção de uma energia limpa com alta fidelidade e qualidade.

Estas infra-estruturas, nomeadamente, a Barragem de Cahora Bassa, a Central Hidroeléctrica, a Subestação Conversora do Songo, as Linhas de Transporte HVDC, as Linhas de Transporte HVAC e Subestação de Matambo, jogam um papel preponderante no funcionamento da Hidroeléctrica de Cahora Bassa, sendo para tal manuseados observando os princípios internacionais para a operação de grandes barragens hidroeléctricas.

Intervém na operação e manutenção das infra-estruturas de produção hidroeléctrica, as mais variadas áreas da engenharia, nomeadamente, a Engenharia Mecânica, Hidráulica, Eléctrica, Electrónica, Civil, Ambiental, Informática, Química.

Veja a estructura da HCB

BARRAGEM DE CAHORA BASSA

A barragem está localizada num desfiladeiro estreito do rio, com encostas verticais no topo e forma em V na parte inferior.
Principais estatísticas

ESTATÍSTICAS-CHAVE

Área: 2900 km2

Comprimento Máximo: 270 km

Largura Máxima: 30 km

Capacidade: 52 km2

Espessura da fundação: 21.5 m

Capacidade máxima de descarga: 14.000 m3/s

Usina Hidrelétrica

CENTRAL DE ENERGIA HIDROELÉCTRICA

A central é uma enorme caverna escavada na rocha, com 220m de comprimento, 29m de largura e 57m de altura, situada na margem sul do rio. É no interior desta caverna que estão instalados cinco grupo geradores, cada um destes é formado por uma turbina tipo Francis de 415MW. A rotação dos grupos geradores faz-se à velocidade nominal de 107,11 rpm, o que corresponde a frequência eléctrica de 50Hz usada na rede eléctrica moçambicana. 

Songo Subestação Conversora

SUBESTAÇÃO CONVERSORA DO SONGO

Esta subestação comporta todo o equipamento destinado à conversão da corrente alternada, proveniente da central sul, em corrente contínua, que é injectada nas linhas de transporte HVDC. As pontes conversoras, em número de oito, são formadas por tanques de tirístores arrefecidas a óleo alimentadas através de transformadores apropriados.

HVDC Linhas de transmissão

LINHAS DE TRANSMISSÃO HVDC

As subestações do Songo (em Moçambique) e de Apollo (na África do Sul) estão ligadas por duas linhas aéreas de transporte, monopolares, cobrindo uma distância de 1.400km, sendo 900km em território moçambicano, ao longo da fronteira com o Zimbabwe. As torres que suspendem os condutores são do tipo piramidal com altura normal de 49 metros, tendo sido implantadas cerca de 6.400 torres. 

HVAC

LINHAS DE TRANSMISSÃO HVDC E SUBESTAÇÃO DE MATAMBO

Para o fornecimento de energia ao Centro e Norte de Moçambique estão instaladas duas linhas de transporte de energia ligando a subestação do Songo à subestação de Matambo, próximo da cidade de Tete. Da subestação de Matambo sai, entre outras, uma linha de transporte que alimenta a subestação de Chibata, próximo da Cidade de Chimoio.

PROJECTOS DE ENGENHARIA

Com um foco firme na melhoria contínua e no fornecimento e transporte de energia fiável e de qualidade, a HCB tem como prioridade o desenvolvimento contínuo de Cahora Bassa. Tal inclui melhorar os níveis de desempenho (embora considerando factores ambientais), bem como implementar projectos de engenharia adicionais, com o fim de alcançar os objetivos estratégicos de negócio.

PROJECTOS ACTUAIS

CAPEX VITAL

É um plano de investimento de cerca de 500 milhões de euros que visa a reabilitação dos principais elementos da cadeia de produção e transporte de energia. Este programa inclui a reabilitação de secções críticas das subestações de Songo e Matambo, e a reabilitação de parte dos equipamentos da central de produção Sul.

REABSUB

    • Brownfiled 2
    • Brownfiled 3

Projecto de reabilitação da Subestação do Songo está orçado em mais de USD 290 milhões, visa a substituição de equipamentos com mais de 40 anos de vida.

A reabilitação da subestação do Songo inclui a substituição de toda a aparelhagem de corte e manobra, equipamento dos serviços auxiliares, válvulas conversoras, sistemas de controlo e protecção, incluindo o GMPC bem como o grupo diesel de emergência 01, representando a maior parcela de investimentos que serão feitos pela Hidroeléctrica de Cahora Bassa no âmbito do CAPEX VITAL 10 anos.

REABMAT

O projecto de reabilitação da subestação de Matambo visa a melhoria do sistema de transporte e fornecimento de energia de qualidade às regiões centro e norte do Pais. A reabilitação está orçada em milhões.

REABSUL - 2

O projecto de reabilitação da central sul é uma iniciativa estratégica que visa a intervenção nos equipamentos que não foram contemplados pela primeira fase da reabilitação da central. Orçado em mais de USD 150 milhões,  incidirá sobre os transformadores de elevação de potência, os equipamentos de serviços auxiliares e outros para a melhoria da performance.

STE: PROJECTO DO SISTEMA NACIONAL DE TRANSPORTE DE ENERGIA

Este projecto técnico inclui a construção de duas linhas, uma para corrente directa (HVDC) e outra para corrente alternada (HVAC) para atender os requisitos internos de energia na região; facilitando uma maior integração e conexão dentro da rede energética nacional. O STE irá permitir a transmissão eficiente, e de baixo custo, de 9.000 MW de energia a partir do Vale do Zambeze, com subestações planeadas em Cataxa, Matambo, Inchope, Vilanculos, Chibuto e Moamba.

PROJECTO HIDROELÉCTRICO DE MPANDA NKUWA

A Hidroeléctrica de Mphanda Nkuwa é um projecto que está proposto para a região Centro de Moçambique, na Província de Tete. A barragem estará localizada a cerca de 60 quilómetros a jusante da Barragem de Cahora Bassa e 70 quilómetros a montante da Cidade de Tete, finando o distrito de Chiúta, na margem esquerda (Norte), e Changara, na margem direita (Sul). A albufeira, a ser criada pelo represamento da barragem, estender-se-á ainda pelos distritos de Cahora Bassa e da Marávia.

A Hidroeléctrica de Mpanda Nkuwa surge assim como um projecto que aumenta a capacidade de geração instalada no sistema, beneficiando tanto o mercado interno como os países da região.

O projecto da Hidroeléctrica de Mphanda Nkuwa encontra-se desta forma perfeitamente enquadrado dentro da estratégia energética do País, considerado como prioritário para dar resposta, a médio e longo prazo a esta procura crescente de energia no país e na região.